Marisa Ferreira

Rosto Bonito e Luminoso

Rosto Bonito e Luminoso
Por Marisa Ferreira


Sente a sua pele cansada e sem brilho?

12 dicas de beleza, úteis para a nutrição da pele e o brilho que precisa voltar.
Se quer uma pele perfeita durante todo o ano não abandone estes gestos de beleza e deixe-los entrar na sua rotina diária!
IMG_8010
1. Aplicar creme hidratante nos contornos dos olhos também nos lábios.

O contorno dos olhos é uma zona difícil de tratar: ao contrário do que se pensa, os músculos faciais não relaxam, mas ficam mais curtos. Assim sendo, a partir dos 25 anos de idade, deverá hidratar a área de contorno dos olhos e dos lábios.

2. Confira a visão!

Se acha que não vê bem, então consulte um oftalmologista. Passar dias inteiros em esforço junto ao computador e ou em leitura, abre as portas às rugas!

3 Creme FPS 30 todos os dias!

A sigla fps (fator de proteção solar) existe em muitos cremes e indica o fator de proteção ultravioleta. Opte por cremes diários que têm o fator de proteção 30 no inverno e aplique como base de maquiagem- ritual fundamental para a saúde da sua pele.

4. Alongar o rosto!

O rosto encolhe mesmo quando dormimos.
De manhã, acostume-se a suavizar o rosto e a testa, a raiz do nariz para as têmporas e as sobrancelhas. Repita este passo de beleza, sempre que puder.

5. Esfoliar uma vez por semana

A pele perde seu brilho e os poros dilatam, ainda mais bloqueados pela maquiagem e pela gordura. Para remover as células mortas, é importante fazer uma esfoliação pelo menos uma vez por semana! Esta rotina é muito importante para limpar a pele, retardando o aparecimento de linhas finas.

6. Evitar o efeito ioiô com o peso

A alteração permanente de peso é prejudicial não só para a sua saúde, mas também para a pele, especialmente a da face que vai perdendo elasticidade com os anos!

7. Hidratada!

Beba pelo menos 2 litros de água por dia e lembre-se de hidratar a pele diariamente com um bom creme. São rituais úteis para manter a água na epiderme e, portanto, a elasticidade. Uma pele bem hidratada é uma pele perfeita, que resiste melhor aos fatores externos!

8. Óculos XXL

Escolher óculos
oversized é um bom hábito para proteger os olhos e a pele do sol, e evitar assim franzir a testa, reduzindo a aparência de muitas rugas no rosto!

9 Limpeza da pele todos os dias

Dedique 5 minutos de manhã e 5 minutos à noite, para limpar o rosto. Não se esqueça de passar o tônico na pele.
Aproveite estes gestos fazer uma massagem em pequenos círculos na face, estimulando assim a circulação.

10. Respire!

Quando respira, geralmente, apenas use 60% de sua capacidade pulmonar. Então, 5 minutos por dia, faça inspirações profundas e expirações muito lentas, com seus ombros para trás: este processo ajuda a oxigenar as células e tecidos e, portanto, torna a pele mais bonita.

11. Tome diariamente ácido alfa-lipoico

400 vezes mais potente que a vitamina E, o ácido alfa-lipoico é crucial para neutralizar os radicais livres, responsáveis pela restrição de colágeno e elastina; além disso estimula a produção de energia nas células.
Encontra em pequenas quantidades no brócolis, espinafre, ervilha, farelo de arroz e no fermento, mas se não gosta de nenhum destes alimentos, pode comprar cápsulas de ácido alfa-lipoico numa ervanária.

12. Manchas longe do seu rosto!

Pelo menos 2 vezes por ano, consulte um bom dermatologista para começar uma série de tratamentos que podem incluir, se for caso disso, o uso de ácidos específicos do laser, ou dermabrasivos, para remover as manchas da face, ou ainda produtos cosméticos de fórmulas avançadas que regem a produção de melatonina, na luta contra a descoloração- nomeadamente alterações de pigmentação. Com estes tratamentos, será mais fácil ter uma pele perfeita!

Hábitos simples, que auxiliam na luta por uma pele magnífica!

Perca Peso com a Acupuntura

PERCA PESO COM A ACUPUNTURA
Por Marisa Ferreira


slim-beauty-1


EM QUE CONSISTE A ACUPUNTURA?

O tratamento acupunterápico consiste no diagnóstico e na aplicação de agulhas em pontos definidos do corpo chamados de "Pontos de Acupuntura" ou "Acupontos", que se distribuem principalmente sobre linhas chamadas "meridianos chineses" e "canais".
O raciocínio que se desenvolve na verificação e tratamento dos problemas práticos apresentado no consultório da Ponto Clínico, é baseado em conceitos como os cinco elementos, o tao (equilíbrio entre yin e yang), o fluxo de chi (a grosso modo traduzido como energia vital) e xué (a grosso modo traduzido como sangue), zang (traduzido como órgão por inexistência de palavra adequada) e fu (literalmente oco, mas geralmente traduzido como víscera). 

ACUPUNTURA E A OBESIDADE

A técnica da acupuntura trata o corpo como um todo, procurando manter em equilíbrio o corpo e a mente. Ao tratar os pontos de acupuntura que estão em desequilíbrio, o corpo vai encontrar a harmonia e o organismo vai funcionar corretamente. 
Esta terapia é um tratamento eficaz no emagrecimento, porque vai tratar a origem do problema, atuando nos pontos de acupuntura que provocam muito apetite e originam um aumento de peso.

DIAGNÓSTICO 

Antes de o especialista inserir as agulhas nos pontos de acupuntura, este vai realizar algumas perguntas ao paciente para entender o que causa a obesidade. O acupunturista sabe quais os pontos que não se encontram equilibrados e provocam um excesso de peso, ao analisar a cor da pele, a pulsação e a cor da língua do paciente.
Um estilo de vida stressante, dificuldade em resistir a determinados alimentos, excesso de ansiedade e sedentarismo, podem conduzir a um aumento do peso. Estes fatores principais da doença, são tratáveis com este método. 

UM TRATAMENTO PARA PERDER PESO, INDOLOR E RELAXANTE

Existem vários pontos de pressão localizados nas orelhas, que têm influência em toda a atividade diária.
Assim, o acupunturista vai inserir as agulhas nesses pontos, os quais vão enviar estímulos ao cérebro. Por usa vez, o cérebro vai transmitir a sensação de saciedade mais cedo do que é habitual.  Este tratamento de acupuntura consiste em dar leves picadinhas nas orelhas do paciente, com o objetivo de regular o sono, o apetite e ansiedade 

QUANTAS SESSÕES?

Até alcançar os resultados desejados, deve realizar uma sessão de acupuntura uma a duas vezes por semana. Este tratamento é indolor e caso sinta dor ou desconforto deve interromper o mesmo e informar o nosso especialista. 

Consulte a nossa especialista e receba a nova estação com mais saúde.

Divórcio e a depressão.

Até que a morte nos separe... ups, separamo-nos antes.
Por Marisa Ferreira

IMG_0846

Nunca é fácil o fim de um relacionamento. É um romper com um mundo a que já nos tínhamos habituado. É uma separação que transporta uma dor que vai além da emocional, é física também.

A porta trancada - A vida secreta das decisões.
Talvez o ser humano tenha sido feito para viver com outras pessoas, e por isso, mesmo num relacionamento destrutivo, se possa oferecer uma certa parceria e a possibilidade de contar com a outra pessoa em alguns momentos.

Marcha atrás - O impossível casamento dos dois cérebros.
Ao concentrar-se nos quatro cavaleiros da emoção; postura defensiva, reserva, censura e desprezo, obtém os sinais individuais. E se fatiar fino, ao peneirar o que é irrelevante ao mesmo tempo que se concentra o que realmente interessa, reconhecerá que a decisão foi a correta.

Novo estado civil.
É oficial. Abrace o seu novo estado civil como mais uma etapa da sua vida e não como um estigma. Concentre-se exclusivamente nos aspetos positivos desta mudança: já não está amarrada a uma relação infeliz, nem presa a uma casa onde reinava a tensão, tem agora uma segunda oportunidade para fazer e experimentar coisas sobre as quais se calhar já não pensava há muito tempo. Por mais cliché que possa parecer, a vida realmente continua e se já chegou até aqui, é porque já lhe deu alguma continuidade, não acha? O divórcio também não significa o fim de uma vida amorosa. A vida é bela, não a desperdice no passado.

Alguns passos:
- Reconstrua a sua identidade e redescubra os prazeres da vida, e o que a define como uma pessoa sem o seu ex-parceiro. Pense nisso como uma oportunidade de crescimento
-Concentre-se no novo começo, com novos passatempos
-Concentre-se em sentimentos positivos, como alívio, liberdade e otimismo
- É normal não se sentir bem consigo mesma, faz parte do processo de cura a quem tem direito
- Socialize. Saia com pessoas. Não se encerre em casa, porque essa não é a solução para si
- Evite perseguir o passado
-Canalize essas energias para outras coisas mais interessantes como por exemplo, experimentar o novo corte de cabelo.
-Alimente-se bem, durma bem, e faça exercício físico com frequência - Faça uma viagem depois de uma festa
- Não hesite em pedir ajuda profissional, evite uma depressão.

A relação com o mundo.
Se eu não tratar de mim, quem tratará? E se eu só tratar de mim, então sou o quê? E se eu não me preocupar agora, preocupo-me quando?
Como um grande alquimista, transforme a dor amarga do desprendimento, no sabor doce do desafio.
Lembre-se, só tem uma vida para viver, esta.

Siga em:

https://m.facebook.com/marisarferreira/

Queda de cabelo.



Acido fólico na saúde
Por Marisa Ferreira

Conhecido popularmente como vitamina B9, o Ácido fólico é um dos nutrientes mais importantes para garantir o funcionamento adequado do organismo em geral, mas principalmente do couro cabeludo, isto porque, todas as vitaminas do complexo B agem diretamente no folículo capilar.
Parte do complexo B, a vitamina B9 agiliza o crescimento dos fios e pode ser uma solução nos casos de alopecia.
 A vitamina B9, em especifico, é considerada um estimulador, sendo responsável pela libertação de nutrientes dos alimentos. Estes nutrientes ajudam os folículos pilosos a deixarem os cabelos brilhantes e volumosos.
Outra contribuição do ácido fólico é a sua capacidade natural na prevenção de defeitos de nascença e neurais, e por isso são frequentemente prescritos medicamentos compostos de ácido fólico a gestantes
.


IMG_0691



Ácido fólico e o envelhecimento prematuro do cabelo
A deficiência de ácido fólico é a principal causa de envelhecimento precoce dos cabelos causando descoloração e aparência opaca- processo chamado de anemia megaloblástica, onde a produção de glóbulos vermelhos do sangue aumenta anormalmente. O consumo regular de ácido fólico ajuda a normalizar a produção das células vermelhas do sangue.

Quais são as fontes naturais de ácido fólico?
Todas as frutas cítricas, feijão, e todos os vegetais de folhas verdes como espinafre, couve, feijão verde, brócolos e pimentos, são fontes ricas de ácido fólico natural. Alguns outos alimentos são enriquecidos com este nutriente essencial como pães, cereais, arroz, massas, farinhas.

Qual é a dose ideal de ácido fólico.
Para adultos, a dosagem ideal de ácido fólico é de 5 mg por dia. O limite de consumo não deve exceder o limite de 10 mg por dia. No entanto, uma gestante, ou uma mãe em período de amamentação pode ingerir de 6 mg a 8 mg de ácido fólico todos os dias para o bem-estar geral. 

IMG_0690

Suplementos
É recomendado que as pessoas consumam, tanto o ácido fólico, como as outras vitaminas, A, E, D, C, zinco e magnésio, por meio de alimentos diários e não por cápsulas. Contudo, algumas pessoas não conseguem absorver determinadas substâncias. Nestes casos, aposta-se no uso de complexos vitamínicos. 
Assim como a maioria das vitaminas, o ácido fólico também pode ser ingerido dessa forma. Sozinho ou com outras substâncias, os suplementos podem ser indicados para quem apresenta um caso grave de alopecia ou deseja agilizar o crescimento dos fios. No entanto, isso requer sempre acompanhamento médico, porque o excesso de nutrientes no corpo, pode causar efeitos inversos e disfunção no organismo.
Perante a queda capilar, deve recorrer imediatamente a um médico especialista para identificar a causa do problema – pode ser hormonal, psicológico, genética, entre outros. Se for anemia ou falta de nutrientes, é possível recuperar com base numa alimentação saudável, excluindo bebidas alcoólicas e o tabaco.

Alerta
Não corra riscos, faça-se sempre acompanhar do conselho de um médico sobre a necessidade e a dose diária recomendada de ácido fólico. É importante saber que as medidas de prevenção e cuidado têm de ser adaptadas à idade, bem como à sua condição física.
E nunca é demais lembrar que o melhor conselheiro é sempre o médico especialista. Consulte-o.

Insolação, aprenda a proteger os mais pequenos

FullSizeRender

Insolação, aprenda a proteger os mais pequenos
Por Marisa Ferreira.


Chegou o verão e com ele a praia, a piscina e os tempos passados ao ar livre. Entusiasmados com as brincadeiras e a alegria que esses momentos lhes proporcionam, as crianças correm sérios riscos se não forem protegidas dos malefícios da exposição solar excessiva. 
Aproveite o verão ao máximo, proteja os mais pequenos dos perigos do calor. Saiba como prevenir a insolação e aprenda a reconhecer os sinais de alerta.


Previna:


  • - 30 minutos antes de saírem de casa, aplique protetor solar de índice elevado,
  • eficaz contra os UVB e UVA, que deverá ser reposto a cada 2 horas e/ou
  • sempre que a criança tome vá à água. Usar o protetor não só na praia e
  • piscina, mas também em todas as atividades ao ar livre (desporto,
  • 'brincadeiras'...).
  • - Vista as crianças com roupas leves, frescas e de algodão.
  • - Óculos de sol com proteção anti-UV.
  • - Na praia, colocar um chapéu com abas (proteção da face, nariz, orelhas e
  • nuca), usar roupa protetora (braços, tronco, pernas).
  • - Evitar as horas de maior calor, ou seja, entre as 11h00 e as 17:00, dado que
  • neste espaço de tempo o sol incide verticalmente à camada de ozono e os
  • UVA e UVB atravessam-na mais facilmente. 
  • - Preferir a sombra, protegendo a criança do calor, especialmente em crianças
  • com menos de 1 ano de idade.
  • - Com templo nublado não se esqueça do protector solar, uma vez que os raios
  • são quase tão perigosos como com sol.
  • - Tenha em atenção o reflexo dos raios solares na neve (85%), na praia (20%),
  • na água e na relva (5%). Estar à sombra de uma chapéu de sol ou toldo não é
  • suficiente para evitar os escaldões.
  • - Manter a hidratação com ingestão de água e frutas. A exposição a radiações
  • solares elevadas por mais tempo do que o organismo consegue suportar, irá
  • provocar uma produção excessiva de suor, na tentativa de autorregulação
  • térmica. O calor intenso, a subsequente perda de água no corpo, a utilização
  • de roupas inadequadas que impedem a evaporação do suor, são algumas das
  • condições favoráveis a que a desidratação severa aconteça. 

Nunca deixe a criança no interior do automóvel, nem que seja por breves instantes, pois no interior do carro a temperatura tende a subir exponencialmente.

As crianças com menos de 3 anos não devem ser expostas à luz directa do sol.

Sinais de alarme


Se a criança se queixar de secura na boca, sede e/ou apresentar a pele vermelha e ressequida, retire-o imediatamente do sol e tente repor a hidratação com ingestão lenta de água. A falta de cuidados podem provocar febre com temperaturas iguais ou superiores a 40°C, dor de cabeça, respiração ofegante e falta de ar, enjoos, vómitos e diarreias, agitação, irritabilidade, aumento dos batimentos cardíacos, confusão mental e delírio, fala arrastada e convulsões. 
Em caso de desmaio ou mal-estar geral, ligue, de imediato, para o serviço de emergência médica (112). Enquanto aguarda pela assistência médica, transporte a criança para um local fresco e arejado, deite-a no chão com a cabeça elevada, tente repor a 
hidratação através da ingestão de pequenos golos de água fresca e aplique toalhas húmidas no rosto e corpo. Para estimular a circulação sanguínea, massaje com suavidade algumas zonas do corpo e não dê nenhum medicamento analgésico à criança. 
A insolação é uma condição perigosa que poderá causar lesões graves em órgãos internos vitais, como o cérebro, coração, rins e músculos, se não for forem tomadas medidas de urgência. Mas é completamente evitável se adotar medidas de prevenção.

Intolerâncias


nutricaoI-750x380

O essencial sobre as intolerâncias alimentares


Fala-se cada vez mais de alergias e intolerâncias aos alimentos, mas nem sempre é fácil perceber do que se trata exatamente. Explicamos-lhe o fundamental.

Por Marisa Ferreira.


Nos últimos 15 anos os casos de alergias e intolerâncias alimentares duplicaram a nível mundial, o que justifica a preocupação com este tema. Mas, o que é exatamente uma intolerância alimentar?
“Fala-se em intolerância quando o organismo é incapaz de metabolizar algumas substâncias dos alimentos, o que pode acontecer devido a um défice das enzimas responsáveis pela sua digestão. Em geral, o problema está associado à absorção da lactose – o açúcar do leite, presente no leite de origem animal – e do glúten, uma proteína encontrada no trigo, aveia, centeio, cevada, kamut e espelta”, 
Além da deficiência enzimática pode haver outros tipos de intolerâncias como a conservantes alimentares (sulfitos, benzoato sódico e glutamato monosódico, por exemplo) ou a compostos naturalmente presentes nos alimentos, como a cafeína, os salicilatos, as aminas e o glutamato. Alimentos como os queijos curados, o vinho tinto e o chocolate, “por terem substâncias vasoconstritoras, podem provocar cefaleias, náuseas e tonturas em pessoas suscetíveis”, conclui.
Os sintomas mais comuns passam por distúrbios gastrointestinais, como diarreia e vómitos, dores nas articulações, edemas (inchaço), enxaquecas, mal-estar geral, fadiga e erupções cutâneas. “Se o alimento é consumido muito ocasionalmente, os sintomas podem ser imediatos ou ocorrer poucas horas depois. Mas se forem de consumo regular, pode não haver reação imediata e sim uma sintomatologia crónica”, explica a nutricionista.
O que fazer?

Elaborar um diário alimentar pormenorizado, registando simultaneamente os sintomas, é o ponto de partida para identificar os alimentos responsáveis pelo problema. Um dietista ou nutricionista pode orientar uma dieta de exclusão alimentar que, normalmente, dura duas a seis semanas.
Depois faz-se uma reintrodução progressiva de cada alimento de forma a chegar a um diagnóstico correto. Havendo intolerância, a solução passa usualmente por excluir ou diminuir a quantidade do alimento responsável, de forma a minimizar a incidência e intensidade dos sintomas. Em alguns casos de deficiência enzimática é possível usar suplementos de uma enzima produzida industrialmente para ajudar na digestão.
A boa notícia é que, por vezes, a intolerância alimentar é temporária. Algumas desaparecem depois de se abdicar do consume do alimento ou substância durante algum tempo. Em qualquer caso, é importante o acompanhamento de um nutricionista para evitar carências nutricionais que possam tornar-se graves.
Alergia ou intolerância?

A diferença é simples. Na alergia dá-se uma ativação do sistema imunitário em resposta a determinadas substâncias. Nas intolerâncias, na maior parte das vezes existe uma deficiência de algumas enzimas. Esta deficiência não permite a digestão de certo alimento ou causa apenas uma reação fisiológica que não provoca ativação do sistema imunitário (que é o que carateriza a alergia). As consequências também são diferentes: na alergia, sempre que se come o alimento, mesmo que em pouca quantidade, há uma reação – urticária, inchaço nos lábios, olhos e orelhas ou, em casos extremos, uma reação anafilática que pode levar à morte. Já a intolerância pode ter vários graus e, nalguns casos, os sintomas só se manifestam quando o consumo é elevado.

Cuide do seu coração!

IMG_5313

Cuide do seu coração!

Por Marisa Ferreira.

O coração está associado à vitalidade do corpo humano. Tem como principal missão bombear o sangue, assegurando o transporte de oxigénio e nutrientes a todos os órgãos e células.

Desafio: prevenir e conhecer a doença coronária

A doença coronária é uma doença que pode derivar em situações de enfarte do miocárdio. Adotar hábitos saudáveis, saber reconhecer sintomas e o que fazer são as regras de ouro para evitar esta doença cardiovascular.

Talvez saiba que o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é a principal causa de morte em Portugal. Mas talvez desconheça porque surge. Mais ainda, sabe reconhecer os sintomas de Acidente Vascular Cerebral (AVC) e como atuar? Segundo a Sociedade Portuguesa de Acidente Vascular (SPAVC), o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é a principal causa de morte e incapacidade em Portugal. Já a Organização Mundial de Saúde (OMS) refere que o AVC é responsável pela morte de 5 milhões de pessoas, anualmente, a nível mundial.

O AVC tem uma componente genética e é mais frequente nos homens e em idades avançadas, embora também ocorra em mulheres e pessoas mais jovens. Algumas doenças como a diabetes, obesidade e hipertensão arterial, entre outras, aumentam o risco de AVC, assim como o sedentarismo, uma alimentação rica em sal, tabagismo e consumo excessivo de bebidas alcoólicas.

O que é um AVC?
O AVC é provocado por uma descida repentina do fluxo sanguíneo responsável pela irrigação do cérebro. Muitas das vezes é provocado pelo bloqueio de um vaso sanguíneo do cérebro (AVC isquémico) ou pela rutura deste (AVC hemorrágico). Estes problemas são causados pela acumulação de placas de gordura nas paredes das artérias (aterosclerose). O bloqueio ou rutura de um vaso sanguíneo faz com que essa zona cerebral não receba oxigénio levando à morte celular.

Sinais de alerta
A falta de oxigénio em determinada zona do cérebro e a consequente morte celular manifesta-se de várias formas e em diversos pontos do corpo, traduzindo-se nos seguintes sinais de alarme:

Desvio na face: Um dos lados do rosto pode estar dormente ou descaído. Repare se os 2 lados da boca estão simétricos.
Falta de força num braço: A pessoa pode ter dificuldade em movimentar um dos braços.
Dificuldade em falar: pode ser difícil de perceber o que a pessoa diz e/ou não fazer sentido.
Diminuição da visão: pode ocorrer uma diminuição abrupta da visão num dos olhos ou nos 2.
Outros sintomas: podem surgir subitamente dores de cabeça fortes; dificuldade em compreender o que as outras pessoas estão a dizer; dificuldade repentina em andar e em coordenar movimentos.

O que fazer em caso de AVC?
O AVC é uma urgência, pelo que deve deitar a pessoa de lado, certificar-se se respira bem e contactar de imediato o serviço de emergência 112.

Consequências de um AVC
De acordo com a zona do cérebro que foi afetada e a extensão das lesões, o AVC pode provocar várias sequelas – que podem ser praticamente inexistentes, manifestarem-se através de alterações cognitivas, comportamentais, motoras ou ao nível da fala, entre outras. Quando um AVC é muito grave, a pessoa pode morrer ou ficar dependente de terceiros.

O tempo que decorre entre o início do AVC e a realização do tratamento é determinante: as sequelas são consideravelmente mais graves se o intervalo for superior a 3 horas.

O que pode fazer para reduzir o risco de AVC?
Faça uma alimentação equilibrada, diversificada, pobre em sal e gorduras.
Controle os níveis de colesterol, de tensão arterial e de glicemia em jejum (aconselhe-se com o seu médico quanto à periodicidade).
Mantenha um peso adequado.
Pratique exercício físico.
Não consuma bebidas alcoólicas em excesso.
Não fume.
O AVC provoca a morte das células numa determinada zona do cérebro e pode manifestar-se através de vários sintomas. É importante saber reconhecê-los e como atuar, pois quanto mais precoce for o tratamento, maior será a probabilidade de as sequelas serem menores.