Relacionamentos

Divórcio e a depressão.

Até que a morte nos separe... ups, separamo-nos antes.
Por Marisa Ferreira

IMG_0846

Nunca é fácil o fim de um relacionamento. É um romper com um mundo a que já nos tínhamos habituado. É uma separação que transporta uma dor que vai além da emocional, é física também.

A porta trancada - A vida secreta das decisões.
Talvez o ser humano tenha sido feito para viver com outras pessoas, e por isso, mesmo num relacionamento destrutivo, se possa oferecer uma certa parceria e a possibilidade de contar com a outra pessoa em alguns momentos.

Marcha atrás - O impossível casamento dos dois cérebros.
Ao concentrar-se nos quatro cavaleiros da emoção; postura defensiva, reserva, censura e desprezo, obtém os sinais individuais. E se fatiar fino, ao peneirar o que é irrelevante ao mesmo tempo que se concentra o que realmente interessa, reconhecerá que a decisão foi a correta.

Novo estado civil.
É oficial. Abrace o seu novo estado civil como mais uma etapa da sua vida e não como um estigma. Concentre-se exclusivamente nos aspetos positivos desta mudança: já não está amarrada a uma relação infeliz, nem presa a uma casa onde reinava a tensão, tem agora uma segunda oportunidade para fazer e experimentar coisas sobre as quais se calhar já não pensava há muito tempo. Por mais cliché que possa parecer, a vida realmente continua e se já chegou até aqui, é porque já lhe deu alguma continuidade, não acha? O divórcio também não significa o fim de uma vida amorosa. A vida é bela, não a desperdice no passado.

Alguns passos:
- Reconstrua a sua identidade e redescubra os prazeres da vida, e o que a define como uma pessoa sem o seu ex-parceiro. Pense nisso como uma oportunidade de crescimento
-Concentre-se no novo começo, com novos passatempos
-Concentre-se em sentimentos positivos, como alívio, liberdade e otimismo
- É normal não se sentir bem consigo mesma, faz parte do processo de cura a quem tem direito
- Socialize. Saia com pessoas. Não se encerre em casa, porque essa não é a solução para si
- Evite perseguir o passado
-Canalize essas energias para outras coisas mais interessantes como por exemplo, experimentar o novo corte de cabelo.
-Alimente-se bem, durma bem, e faça exercício físico com frequência - Faça uma viagem depois de uma festa
- Não hesite em pedir ajuda profissional, evite uma depressão.

A relação com o mundo.
Se eu não tratar de mim, quem tratará? E se eu só tratar de mim, então sou o quê? E se eu não me preocupar agora, preocupo-me quando?
Como um grande alquimista, transforme a dor amarga do desprendimento, no sabor doce do desafio.
Lembre-se, só tem uma vida para viver, esta.

Siga em:

https://m.facebook.com/marisarferreira/